fbpx
Telefone

+41 22 870 94 94

Os nossos horários

Seg-Sex. 8:00-7:00, Sáb. 8:30-1:00.

Anestesia infantil Chêne-Bourg

Cuidados indolores e destemidos

Anestesia para crianças

A anestesia local em crianças e adolescentes é um problema em vários níveis.

Como fazer a criança aceitá-lo?

Como é que se faz sem dor?

Como ser eficaz?

Quais são os riscos nas crianças?

Como é que a convencemos a aceitar?

A abordagem da criança permanece complexa, seja porque tem medo do desconhecido, seja porque tem medo da agulha, da picada. Existem diferentes abordagens ao acto da anestesia, dependendo da psicologia do praticante e do paciente.

Algumas regras simples e eficazes são aplicadas no nosso Centro para colocar a criança nas melhores condições:

- Nós não usamos o termo "doloroso". Cada palavra carrega seu significado literal e o que cada pessoa coloca nela, vindo de sua história pessoal. As palavras "errado", "picar", "agulha", "picar", "seringa" devem ser evitadas.

- Nós não usamos a negação. Em psicologia, não existe tal coisa como negação. Se dissermos a uma pessoa: "Não pense na agulha", essa pessoa terá instantaneamente uma imagem de agulha na sua mente. O mesmo princípio se aplica aos nossos pacientes. A frase "Não tenha medo, não vai doer" é na verdade traduzida como "Você tem razão em ter medo, vai doer" e tem o efeito de associar medo e dor com o ato realizado.

- Usamos um vocabulário adequado à idade do paciente, porque as crianças não são adultos em miniatura. Não se fala com uma criança de quatro anos da mesma forma que se fala com um adolescente. Durante a visita pré-operatória, devemos dizer à criança o que vai acontecer em linguagem apropriada à sua idade, para que ela possa passar calmamente para o próximo passo.

Cada profissional se esforça para encontrar as palavras que correspondem à personalidade de cada criança usando termos positivos ou pelo menos neutros para transmitir a sua mensagem.

Como se faz isso sem magoar?

Um paciente e um operador relaxados são a primeira garantia de ausência de dor. No entanto, duas etapas são potencialmente dolorosas: a passagem da agulha através da mucosa e as primeiras etapas da injeção intra-tissular.

Para evitar isso, o Centro Dentaire Chêne-Bourg tem :

  • Anestesia tópica

Ajuda a entorpecer as gengivas para que a penetração da agulha não seja sentida.

Quanto mais tempo o anestésico tópico (anestésico de superfície) for aplicado, mais profundo e mais longo será o seu efeito. Lidocaína sozinha (Xylocontact®, Xylonor®...) ou combinada com prilocaína (EMLA®) é a molécula mais difundida.

  • Anestesia Osteocentral (Quicksleeper)

Representa uma alternativa interessante. Com base na injeção do anestésico no osso esponjoso ao redor do dente, eles usam a circulação sanguínea dentro dos canais de Volkman para difundir tanto mesialmente quanto distalmente. Devido à sua baixa difusão nas membranas mucosas, a anestesia dos tecidos moles é muito raramente utilizada, o que evita perturbar as crianças mais novas e elimina o risco de auto-mordedura que é tão comum nas técnicas de infiltração. Nas crianças, o osso cortical ósseo é fino e a sua passagem é feita por simples pressão e sem dor.

Com o QuickSleeper, toda a sua anestesia é rápida, indolor, sem o stress de falhas ou efeitos pós-operatórios.

Quais são os riscos após a anestesia?

A anestesia dos tecidos moles durante a anestesia de infiltração é muitas vezes pouco experimentada pelo mais jovem dos nossos pacientes. Independentemente dos inconvenientes ligados à perda das sensações habituais, surge em algumas pessoas um reflexo mordaz, que pode levar a lesões por vezes muito graves e demorar algum tempo a sarar. Esse fenômeno ocorre principalmente durante a anestesia da mandíbula. É necessário avisar sistematicamente as pessoas à sua volta e a criança deste risco de morder-se a si própria.

Técnica do QuickSleeper 5